A Yoga Científica é baseada em diversos textos e conceitos científicos.

O principal texto de referência é o Patanjali Yoga Sutras. O livro descreve o sistema da Ashtanga Yoga, uma linha de yoga desenvolvida para organizar as diferentes práticas que até então eram transmitidas oralmente de mestres a alunos.

Ao organizar e sistematizar ideias e práticas, Patanjali criou um caminho a ser seguido para atingir a total integração dos diferentes níveis de existência humana: físico, mental, emocional, espiritual e social. 
Este sistema filosófico é chamado de Ashtanga Yoga.

A filosofia descrita por Patanjali é composta por 8 pilares: Yamas, Niyamas, Asanas, Pranayamas, Pratyahara, Dharana, Dhyana e Samadhi.

O livro define Asanas como "Posição firme e confortável", mas não descreve nenhuma postura física. As práticas e posturas físicas foram retiradas de alguns dos textos mais antigos encontrados, como Hathapradipika de Svatmarama e Ashtanga Yoga de Charandas, que descrevem a Yoga tradicional.

Há também os livros publicados pelo Swami Kuvalayananda, pioneiro cientista da Yoga, nos quais ele elucida as técnicas e resultados das práticas por ele estudados. Os seus achados científicos foram publicados no periódico Yoga Mimansa, para que pudessem ser revisados e validados pela comunidade científica. Nos livros Asanas e Pranayamas ele ensina as técnicas que fazem parte da prática de Yoga Científica.

Há ainda livros de autores contemporâneos como Yoga and Mental Health (Yoga e Saúde Mental, sem tradução disponível) e os artigos publicados atualmente pela comunidade científica que se dedica ao estudo da Yoga.